"O amor é terapia. No mundo, não há outro tratamento senão o amor. É sempre o amor que cura, porque o amor faz você inteiro."

 

Bert Hellinger

Bert Hellinger nasceu em 1925 na Alemanha e estudou Filosofia, Teologia e Pedagogia desenvolvendo este método de Constelações Familiares. Trabalhou como membro de uma ordem de missionários católicos com os Zulus na África durante 16 anos. Depois tornou-se psicanalista e desenvolveu a sua própria abordagem de Constelações Familiares a partir das experiências com a dinâmica de grupos, terapia primal, análise transacional e vários processos de hipnose terapêutica.

Hoje em dia o seu trabalho é reconhecido no mundo inteiro em vários sectores, na psicoterapia, no trabalho de consultoria de organização de empresas, na educação e na orientação de vida, da alma e no sentido da vida. Escreveu 84 livros traduzidos em 30 idiomas.

A Constelação Familiar é um método psicoterapêutico recente em Portugal, com abordagem sistémica fenomenológica (campos morfogenéticos), que visa encarar, desbloquear e dissolver dificuldades de vinculação e relacionamentos, procurando esclarecer as dinâmicas invisíveis e tornar a vida mais fluida e amorosa. Tais dificuldades podem estar dentro de um indivíduo ou de um sistema social ou familiar. 

As Constelações Familiares para o nosso comum entendimento são um fato desafiante. O próprio método tem sofrido alterações e evoluiu tal como o próprio sistema familiar e social. Esta abordagem terapêutica considera o indivíduo não como uma unidade separada, mas sim como parte de um todo maior, um sistema de família. O seu comportamento individual, os seus sentimentos e atitudes estão influenciadas por este grupo maior e em particular, pelas gerações anteriores e têm que ser entendidos no contexto deste coletivo a que pertencem. Tudo tem início na família. Bert Hellinger  fala-nos  que há, além do inconsciente individual e do inconsciente coletivo, um “inconsciente familar” que atua em cada membro da família.

Para ele, existem 3 leis básicas, as ordens do amor que atuam ao mesmo tempo:

Hierarquia: é uma ordem cronológica, que coloca os pais antes dos filhos, o primeiro filho antes do segundo, e o amor entre pai e mãe antes do amor entre pais e filhos. Não se trata de definir um grau de importância, mas, sim, respeitar a ordem dos fatos.

- Equilíbrio entre dar e receber: pauta-se pela necessidade de haver equilíbrio em todas as relações, o que gera respeito e igualdade de condições.

- Pertencimento familiar: todos os membros têm o direito e o dever de serem reconhecidos como pertencentes à família, para que o sistema seja justo e equilibrado. Isso aplica-se também a quem morreu precocemente, a deficientes, a filhos abortados, adotados, etc. 

As Constelações são um serviço à vida, permitem descobrir a dimensão sistémica oculta que direcciona as nossas decisões, as nossas emoções e os nossos destinos. Graças a estas tomadas de consciência, somos capazes de reorientar o nosso dia-a-dia para mais vida, mais saúde, mais amor. Para uma maior realização.

Apenas um adulto pode constelar, pois apenas ele assume as suas responsabilidades, é capaz de reconhecer o que existe e pode tomar decisões pessoais e autónomas. A evolução das novas constelações tem sido acompanhada de um novo entendimento da nossa alma e do nosso espírito. As sessões de constelações podem ser realizadas individualmente ou em grupo (workshops).

Nas sessões individuais apenas existe um facilitador e um cliente. Nestas sessões trabalha-se questões gerais relacionadas com as especificidades do cliente, questões familiares e profissionais. Após uma pequena entrevista com o cliente e depois de uma breve explicação desta terapia o facilitador e o cliente iniciam a terapia. Geralmente o cliente assiste aos movimentos feitos pelo facilitador e a partir das frases que o facilitador sugere para o cliente repetir surgem novas conexões neurais. A mudança ocorre naturalmente. O facilitador também pode ser representante tal como o cliente. A constelação vai muito além da perspectiva inicial do cliente, no campo oculto e inconsciente da constelação tanto o problema como a solução surgem. Estudos com radestesia e bioeletrografia comprovam as mudanças e o equilíbrio no nível físico mais subtil no cliente imediatamente após a constelação.

Nas sessões em grupo ou workshops participam mais intervenientes. Atualmente nas novas Constelações Familiares podemos perguntar ao cliente perante o grupo qual é o assunto para constelar, no entanto, o facilitador não segue o assunto em detalhes. Em ressonância com o cliente, o grupo de pessoas representantes permite-se movimentar sem nenhuma intenção, permitindo que emirja um movimento de cura a que Bert Hellinger chamou o movimento do espírito, a reconexão com a fonte primária de toda a vida, em contínua evolução, libertando os ancestrais e as gerações futuras dos emaranhamentos passados.

O constelador é o facilitador deste processo, sem expectativa nem julgamento, apenas permanece num vazio criativo, numa amplitude de consciência. Os movimentos dos representantes são lentos e a postura do facilitador no processo é o mais ética e neutra possível, não intervém, e os representantes vão-se movimentando, constelando. O cliente permanece em silêncio até que pela observação e percepção se desenrole a constelação. O amor que estava interrompido, restaura a hierarquia, reúne tudo novamente, incluindo os excluídos, e restabelece o equilíbrio nas relações. As pessoas envolvidas nas constelações apenas deixam o seu corpo livre, e naturalmente os movimentos acontecem. Estabelece as ordens do Amor.

Estas ordens atuam invisíveis e são inflexíveis tal como a lei da gravidade. Todo o organismo gera um campo organizador a que se dá o nome de campo morfogenético, onde tudo acontece durante as constelações. Este campo vai para além do espaço e do tempo e conecta Tudo e Todos. Doenças, vícios que destroem muitas famílias, e perduram durante muitas gerações. Podemos aceder a este campo quando somos parte dele e trazer a informação que é necessária ao movimento da constelação, e nele todos somos um. Estes movimentos remontam à origem do problema, e apontam para a reconciliação possível naquele momento.

A percepção dos padrões permite a todos os que assistem a uma constelação compreender, aceitar e ampliar os seus limites, expandir a sua consciência e transformar a sua vida. É um processo de libertação. Tal como diz Bert Hellinger: “Crescer é biológico, mas amadurecer, estar num estágio de adulto, exige coragem.”

Posteriormente a uma constelação, irá perceber que algo mudou na sua vida e que esta mudança fluiu sozinha, porque você já está totalmente no aqui e agora, aproveitando e desfrutando do que lhe cabe, usufruindo ao máximo de suas possibilidades. Fluir, não significa que vem sozinho, vem graças à sua entrega, ao seu novo respeito pelo sistémico e pela vida tal como ela é, à sua tomada de consciência, à sua decisão de assumir suas responsabilidades.

A Constelação continua agindo durante um tempo e é necessário dar-lhe seu espaço. Não existe regra para saber quando constelar de novo.

Gratidão,

Adelaide Galhofa

Feito com amor por RICARDO SARAIVA ART | Copyright © 2018 Som da Consciência® 

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now